31 outubro, 2007

A frente e o Verso de uma Poesia Pintada

Sem deixar de apelar à participação no Fórum de debates do artigo anterior, na aula de hoje a Mena quase terminou este maravilhoso trabalho .

Não fora a falta da assinatura e esta seria a última queima das cinco por que já passou este trabalho.

Numa jarra com um formato bem moderno, a Mena aproveitou para elaborar um "dois em um" com este magnífico efeito visual.

Em destaque está um rosto africano, cansado e cuja coloração dos cabelos e da barba nos deixam perceber, que já viu nascer muitos sóis. Tem um ar tranquilo e desapegado, como se esperasse ver na volta do caminho os três meninos que regressam a casa.

Parabéns Mena, foi mais um desafio superado e um degrau mais na tua escada de evolução.
A nossa galeria virtual ganhou mais uma Artista e uma obra linda!

E o que se segue....... a teu pedido (boa !), é um estudo sobre "Mãos" .


*****

Sin dejar de apelar a la participación en el forum de debates del artículo anterior, en la clase de hoy, Mena casi terminó este maravilloso trabajo.

No fuera la falta de la firma y esta seria la ultima quema de las cinco por que ya ha pasado este trabajo.

En una Jarra con un formato bien moderno, Mena aprovechó para elaborar un “dos en uno” con este magnifico efecto visual.


En destaque está un rostro africano, cansado y en cuya coloración de los pelos y de la barba nos damos cuenta que ha visto nacer muchos soles. Tiene un aire tranquilo y desapegado como se esperase ver en la vuelta del camino los 3 niños que regresan a casa.

Felicitaciones Mena, fue mas un desafío superado y un grado más en la tuya escalera evolutiva.
La nuestra galería virtual ha ganado más una artista y una obra preciosa.

El próximo trabajo ….. a tu pedido (muy bien!) es un estudio de las “manos” .

2 comentários:

Elmar disse...

Não perder tempo com conversas soltas,
Não julgar sem ser julgado,
Não deixar as mãos abertas à espera que o vazio as encha de nada,
Não fechar os olhos como se fosse bom fingir ser cego para não termos mais trabalho com o fracasso dos nossos sonhos,
Não entregar o corpo ao vai e vem de abraços fantasma,
Não procurar momentos perdidos, esses podem perder-nos de vez,
Não moldar a nossa voz ao som das palavras em bocas alheias,
Não sorrir em forma de lágrima que ninguém vê,
Não esconder o rosto por trás dos olhos,
Não apertar o grito com mãos de fada, gritar tudo de uma vez,
Não deixar de ter medo, SABER TER MEDO... Foi o que mostraste ao terminar este belo trabalho!
Um grande beijo Mena.
Ah, e continuo à espera de Janeiro para voarmos para as araras :)

Noemia Travassos disse...

Vês Mena, a energia não para nunca!
Tu pintaste um poema, mas a Elsa criou-o, em menos de um nada, com estas palavras cheias de sabedoria e encanto.

Dá gosto partilhar o "caminho" convosco.