01 fevereiro, 2008

Quantas vezes passamos pela VIDA sem a VER ?

E sem atender aos pormenores que marcam as diferenças com que nos sintonizamos?

Assim aconteceu à Mena quando decidiu retratar estas castanhas no ouriço. Teve de as olhar com “olhos de VER”.
A primeira fase do trabalho foi enquadrar a composição e desenhá-la. Depois passou à selecção da gama das tonalidades de verde.

1ª Queima
A fase seguinte foi pegar no pincel e ....começar a praguejar, porque o desgraçado não “deixava” a tinta na porcelana ! Que luta ... o que vale é que bastou a aproximação da “Mestre” para ele obedecer de imediato.
2ª Queima

3ª Queima e Voilá ! A obra final !

Mas quando olhamos com “Olhos de Ver” sempre queremos “Saber” mais e aprofundamos a pesquisa. Vejam o que descobrimos:

Há indícios que a castanha seja oriunda da Ásia Menor, Balcãs e Cáucaso e que já existe a par com a história da civilização ocidental, há mais de 100 mil anos.
As castanhas têm cerca do dobro da percentagem de amido das batatas e são ricas em vitaminas C e B6 e uma boa fonte de potássio.
Os gregos e os romanos colocavam castanhas em ânforas cheias de mel silvestre porque além de as conservar, impregnava-o com o seu sabor.

Uma vez mais, Mena, o teu esforço foi recompensado em muitas vertentes! Em conhecimento e em superação pessoal. A tua perícia deu este excelente resultado.

Posso comer uma castanha ?

1 comentário:

João Carvalho disse...

Vá lá... Não andem à castanhada!

^_^

Óptimo trabalho! É o que eu digo... Já pensaram em fazer ilustração científica?